PT
|
EN
|
IT

Quem disse que Portugal não é país de Risotto?

A esta pergunta a Tecnorisi responde com um Dia de Campo onde demonstrou que Portugal tem condições para produzir arroz de tipo risotto. É um segmento que começa a emergir depois de algumas das variedades de carolino e agulha representadas pela empresa terem já atingido um lugar de destaque na produção nacional.
 
Ainda não fez quatro anos que foi constituída mas a Tecnorisi é uma empresa que tem bem definido o caminho que quer percorrer. A operar no mercado do arroz em parceria com a empresa italiana Lugano Leonardo que lhe fornece as sementes/variedades, a pouco e pouco foi conquistando o seu espaço, apresentando algumas variedades que “competem” com as que se apresentavam líderes de mercado. Como forma de dar a conhecer este trabalho e aproveitando a presença em Portugal de alguns técnicos/investigadores da Lugano, a Tecnorisi organizou um Dia de Campo que se dividiu entre a visita aos Campos de Multiplicação de Semente, na Lezíria de Vila Franca de Xira e a visita às parcelas com variedades para  demonstração em Paúl de Magos, Salvaterra de Magos.

Antes de avançar para o que se passou ao longo do Dia de Campo, convém recuar um pouco e perceber melhor a relação entre Tecnorisi e Lugano Leonardo. A primeira é distribuidora exclusiva da segunda para Portugal e, de acordo com o administrador da Tecnorisi, Victor Rouxinol, um dos motivos que esteve na base desta relação foi o facto da empresa italiana apostar fortemente na investigação. “Como técnico, orizicultor e comercial de sementes considero que estas variedades apresentam performances muito superiores a outras que já operam no mercado há muito tempo”. Sobre as variedades que a Lugano lança no mercado destaca ainda o seu nível de resistência à acama, a rusticidade e precocidade. É de sublinhar igualmente que a empresa trabalha em várias linhas, conseguindo atingir diferentes segmentos de mercado. No caso do arroz de tipo risotto a  Lugano afirma-se líder e enquanto em Itália é o principal mercado, em Portugal encontra-se em emergência.

Nos outros tipos de arroz a “agitação” também é constante, por isso a empresa achou por bem divulgar e mostrar que não está presa a uma ou outra variedade. “O portefólio é vasto, bem acompanhado e em permanente desenvolvimento”, resume Victor Rouxinol.
 
in Voz do Campo
LUGANO